The Good Doctor nos traz a história de Shaun Murphy, um rapaz com Síndrome de Asperger e traços de Savantismo que se torna um médico cirurgião. Você deve estar pensando: o que levou um garoto autista a sair da sua zona de conforto e seguir seu sonho, mesmo sabendo de todas as dificuldades que teria? Bem, o pai do garoto matou seu coelho e logo em seguida Shaun perdeu seu irmão. E como ele mesmo respondeu quando perguntaram o motivo dele querer trabalhar naquilo: seu coelho tinha ido para o céu e seu irmão também. Shaun não queria que as outras pessoas passassem por aquilo.

Shaun foge de casa e passa a ficar sob os cuidados de Aaron Glassman, um médico que se sensibiliza com a situação do garoto e o ajuda ao longo de sua vida. Depois de formado, o rapaz enfrenta seu primeiro desafio: ser admitido no Hospital San Jose St. Bonaventure. Enquanto todos acham que ele não vai dar conta, e que é um absurdo deixar um autista operar pessoas, Aaron Glassman discorda e põe seu cargo em jogo por acreditar no potencial de Shaun.

Depois de vencer seu primeiro desafio, o agora Dr. Murphy tem de se adaptar ao mundo a sua volta. E durante todos os episódios não só ele, mas toda a equipe médica do hospital enfrentam inúmeros desafios e complicações. E com o passar do tempo, Shaun consegue quebrar toda a imagem ruim que criaram dele, e ainda por cima, ensina várias lições aos seus colegas.

A série mostra também todas as crises pessoais de Shaun, e como ele conseguiu superá-las. Nos dá uma noção de como é a vida de um autista, faz com que repensemos todo o conceito de empatia e se estamos realmente cultivando isso em nós. Mas o objetivo maior desse seriado não é só sensibilizar. Mas sim tratar de questões como: preconceito, inclusão social e de como subestimamos a capacidade do outro. E usamos como base a cor da pele, nacionalidade, sexo e principalmente: a deficiência, seja ela física ou mental.

The Good Doctor tem como mensagem principal dizer para o mundo todo: às vezes, o diferente é bom. Acreditar e apoiar seu próximo é tudo que você deve fazer. E para aqueles que não se sentem capazes, seja porque ninguém nunca acreditou em vocês ou porque disseram o que vocês podiam ou não fazer, deixamos essa frase dita por um dos pacientes do Dr. Murphy: “Nunca deixe ninguém te dizer o que você pode ou não fazer. Nunca.”

E lembre-se: quando chegou ao Hospital ele era Shaun Murphy, um rapaz autista com o sonho de se tornar cirurgião. E saiu de lá como Dr. Murphy, um residente de cirurgia que, por não se limitar “ao que sua condição permitia”, ainda salvaria muitas vidas.